Role o mouse

O Portal

O Portal OXE é uma das ações de mediação leitora do projeto OXE: literatura baiana contemporânea  que ocorre no IFBA, campus Santo Amaro, desde 2014. A criação do portal foi motivada pela necessidade de ter disponível um acervo que possibilitasse acesso a textos literários de autorxs baianxs de gerações distintas e gêneros diversos, voltado principalmente estudantes da educação básica. Além de ser um instrumento educacional, o site possibilita a circulação de textos literários baianos em mídias e redes digitais.

Ler mais sobre o projeto

Autores

  • Danilo Uzêda

    E ali, apenas respirando o arrebol,que acanhado descia carinhoso, Guardava escrupuloso o monumento
  • Danilo Lumiano

  • Lívia Mattos

    Deixa passar o que tiver de passado deixa ficar o que restou de sagrado
  • Luiz Natividade

    O cordel não tem fronteiras
  • Luís Pimentel

    Uns pingos de chuva dançavam no vidro da janela.
  • Adriano Eysen

    O tempo rabisca teoremas no peito pedra do homem onde fantasmas me consomem.
  • Juliana Ribeiro

    Beira de Mar, beira de maré, maré sem fim Abre a porta
  • Neide Cortizo

    A perfeição vive em instantes não se instala, é mutante.
  • Martha Monteiro

    sonhar é viver e viver é sonhar.
  • Antônio Torres

    Ai que saudades que eu tenho
  • Ana Luisa Barral

    Tudo é norte
  • Maria Luiza Maia

  • Victor Az

    Maria acordou cedo, bebeu um copo de leite, foi pra academia,
  • Antônio Barreto

    A forma da poesia Não é muito radical Porque a simplicidade É muito fundamental
  • Iderval Miranda

    mas tudo é muito pouco ante o nada que se assevera infinito.
  • Herculano Neto

    Não tenho medo de ser simples tenho medo de ser oco

Autores

Patrícia Lins

Eis que é a vida Dizem que é para ser vivida Mas como não viver Se já se está vivo?

Maria Antonia Ramos Coutinho

As ondas iam... vinham... vinham... iam... pra lá e pra cá. Os barcos subiam... desciam... descia

Margot Valente

Não quero ir e pronto! Só faço o que quero e quando quero, ora essa!

Rubens da Cunha

A cada um de nós, ela desvela com seu olhar salobre e a loucura de quem pode guardar pontes.