Role o mouse

O Portal

O Portal OXE é uma das ações de mediação leitora do projeto OXE: literatura baiana contemporânea que ocorre no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia, campus Santo Amaro, desde 2014. Constitui-se em ações que promovem a leitura literária como prática de fruição estética, de entretenimento e de interação social, privilegiando a produção literária dos finais da década de 70 do século XX aos dias atuais, abarcando autores que selecionaram o estado como local de moradia e nicho de produção criativa.

Ler mais sobre o projeto

Autores

  • Rosana Paulo

    Torcia pela vilã ardilosa e malsã
  • Luciany Aparecida Alves

    Eu salivo alegria
  • Rubens da Cunha

    A cada um de nós, ela desvela com seu olhar salobre e a loucura de quem pode guardar pontes.
  • Érica Azevedo

    Brinco com versos Transformo minha lágrima e meu riso em percurso.
  • Jean Paul d’Antony

    Renuncio a morte que me liberta diante do esquecimento na calçada.
  • Victor Az

    Maria acordou cedo, bebeu um copo de leite, foi pra academia,
  • Martha Monteiro

    sonhar é viver e viver é sonhar.
  • Bruno Capinan

    Cada manhã Quando ainda há sina Que da neblina você se revela Como um deus
  • Kátia Borges

    Minha avó era cega. Dela, herdei a capacidade de ver sem usar os olhos.
  • Lidiane Nunes

    A visão do mar me encanta mais do que qualquer poesia.
  • Itamar Vieira Jr.

    E cores, algumas, sabia o que representava – presumíveis representações dos deuses da África
  • Jotacê Freitas

    Na cidade da Bahia Chamada São Salvador Uma mãe ganhava a vida Na rua vendendo flor
  • Wladmir Saldanha

    qualquer ponte é sonho e cimento, mas a ponte de Ilhéus a Ilhéus não será só esquecimento?
  • Carlos Barbosa

    Traz o bebê próximo ao rosto. Procura sentir a respiração. Não tem coragem de tocá-lo. Treme.
  • Carollini Assis

    “Não sou teu amor”
  • Alex Simões

    quanto mais reprincipio mais desconheço este mundo

Autores

Sandro Ornellas

Sinto perdido o mundo que não vi, a guerra em que não lutei, o poema que não escrevi. Nem escreverei

César Rasec

E Guripo lançou a maldade no horizonte. O outro era o alvo.

Geraldo Lavigne

borbotões de vento desfolham-nos tombam-nos

Palmira Heine

Às vezes sou estrada que segue, Outras, viajante que vai.